A Founders Club, aceleradora de startups com sede em Criciúma, foi credenciada para participar do Tecnova III SC. O programa da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) como parceira a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). O objetivo é apoiar a inovação, por meio de subvenção econômica, para o crescimento rápido de micro e pequenas empresas.

Além da Founders Club, outras 12 aceleradoras catarinense foram selecionadas, sendo dez de Florianópolis, uma de Palhoça e outra de Blumenau. Ao todo, serão 60 startups futuramente escolhidas pela Fapesc e que escolherão de qual aceleradora credenciada deseja partipar.

“As aceleradoras servem para capacitar as startups para receber investimentos ou remodelar os negócios. Nem sempre o problema está no dinheiro. Às vezes ajudamos a vender o produto, montar uma equipe comercial, definir novas ferramentas para utilizar no negócio e, claro, fazer conexões com novos investidores”, explicou o fundador e CEO da Founders Club, Marcelo Wagner.

Da esquerda para a direita, Rafael Wainberg, Marcelo Wagner, Bianca Six, Anderson Diehl e Felipe Barão, sócios da Founders Club – Foto: Divulgação

A Fapesc definiu que o Tecnova III investirá R$ 30 milhões, entre R$ 250 mil e R$ 400 mil para cada um dos projetos aprovados.  Ainda no primeiro semestre, a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) lança o edital de chamada pública. 

“As empresas vão ter um aporte do governo para serem aceleradas por nós. Então, a grande vantagem é que a gente não precisa, enquanto aceleradora, fazer nenhum aporte na startup ou conectar com alguém que queira fazer o aporte. Esse aporte já vai vir. O nosso objetivo vai ser conduzir as startups para gastar bem o dinheiro para continuar crescendo e seguir no mercado com uma metodologia que seja validada, que seja eficiente, isso dá mais velocidade ainda no crescimento”, destacou Wagner.

No caso da Founders Club, a metologia está mais focada nos fundadores das startups. “A startup vai receber um aporte e, daqui a pouco, pode ter um problema para contratar um estagiário ou um vendedor. O que nós, como aceleradora, podemos fazer? Dependendo do perfil do fundador, a gente vai treinar ele para ser esse vendedor ou a gente vai ajudar ele na contratação de funcionários para a função e até para outros setores. Este é um exemplo das atividades que realizamos”, disse o CEO.

Atualmente mais de 300 fundadores de startups do Brasil fazem parte da Founders Club. Wagner lembra que Criciúma é o terceiro município catarinense com maior número de startups por habitante e, portanto, possui um mercado promissor para novos empreendedores que desejam acelerar seus negócios por meio do programa da Fapesc.

“Em Criciúma existe um número bem grande de startups e são boas startups. Aqui existe uma oportunidade muito grande de crescer, não somente por conta de ter aceleradoras, mas as próprias startups criadas possuem tendência de crescimento. Os movimentos que vejo mostram isso”, evidenciou.

Para fazer parte da metologia da Founders Club, a startup não precisa fazer parte do Tecnova III. A aceleradora também faz seletivas ao longo do ano para selecionar novas startups. Para fazer parte basta fazer a indicação no site: foundersclub.com.br. Será realizado um processo de análise para entender se a startup tem o perfil para ser acelerada.

Monitorado por Vejas.com.br – Link Original:
Aceleradora de startups de Criciúma é credenciada no Tecnova III da Fapesc