A janela de transferências de janeiro pode parecer que sempre fez parte do calendário da Premier League, mas na verdade só entrou em operação pela primeira vez na temporada 2002/03.

Antes do sistema de transferências em duas janelas como o conhecemos hoje, os clubes da primeira divisão eram autorizados a trocar jogadores ao longo da temporada até 31 de março, altura em que se considerava que a contratação de reforços poderia minar a integridade da disputa.

Além de todo o conteúdo ESPN, com o Combo+ você tem acesso ao melhor do entretenimento de Star+ e às franquias mais amadas de Disney+. Assine já!

O sistema de duas janelas foi concebido pela FIFA como um método para impedir que os jogadores simplesmente mudassem de clube à vontade, ao mesmo tempo que permitiu que fossem negociados durante períodos prescritos – ou seja, as janelas de verão e inverno.

Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United e Tottenham tiveram grandes investidas no mercado de inverno. Entre eles, o chamado “Big Six” da Premier League completou cerca de 200 contratações desde 2003.

Chelsea e Tottenham foram os mais ativos nesse período, com 39 e 40 contratações, respectivamente. Por outro lado, o Manchester United – talvez de forma algo surpreendente – foi o que conduziu menos negócios, com apenas 22 transferências.

Somado, o “Big Six” gastou mais de 1,83 bilhão de libras (R$ 11,3 bilhões) na janela de inverno até o momento, com o Chelsea sendo o maior gastador por uma margem enorme (628,94 milhões de libras, quase R$ R$ 3,9 bilhões) e o Manchester United o mais econômico (179,65 milhões de libras, pouco mais de R$ 1,1 bilhão) no geral.

O Chelsea também foi quem fez o maior número de contratações durante uma única janela de inverno, tendo contratado oito novos jogadores (por uma taxa total de 296,7 milhões de libras, R$ 1,8 bilhão), em janeiro de 2023.

A ESPN analisou todas as transferências dos times do “Big Six” (incluindo todos os acordos permanentes, empréstimos e transferências gratuitas) feitas em janeiro por cada um dos maiores clubes da Premier League nas últimas duas décadas e selecionou as três melhores e as três piores para cada clube.

Veja a lista abaixo:

Os melhores do Arsenal

Martin Ødegaard (contratado do Real Madrid por empréstimo), 27 de janeiro de 2021

Tendo chegado ao Real Madrid como um jovem prodígio de 16 anos, em 2015, apenas para realizar alguns jogos entre uma série de períodos de empréstimo, Ødegaard acertou um contrato de seis meses com o Arsenal em busca de um novo começo com 22 anos. O meio-campista norueguês foi um sucesso instantâneo e logo recuperou sua criatividade, tornando-se rapidamente uma presença constante no meio-campo dos Gunners antes de tornar sua transferência permanente no verão seguinte. Ele agora é capitão do clube, então é justo dizer que deu certo.

Theo Walcott (contratado do Southampton por 5 milhões de libras), 20 de janeiro de 2006

Contratado por Arsene Wenger apenas seis meses depois de entrar no time principal do Southampton como um ala prodigioso e ágil de 16 anos, Walcott passou os 12 anos e meio seguintes de sua carreira no Arsenal, marcando 108 gols em pouco menos de 400 jogos e vencendo três Copas da Inglaterra. Nada mal por 5 milhões de libras.

Pierre-Emerick Aubameyang (contratado do Borussia Dortmund por 56 milhões de libras), 31 de janeiro de 2018

Contratação recorde do clube na época, Aubameyang logo retribuiu a aposta com 10 gols em 13 jogos em seu primeiro semestre. O carismático atacante então conquistou a Chuteira de Ouro da Premier League em sua primeira campanha completa (2018/19) antes de capitanear o time até a vitória na final da FA Cup, em 2019/20, marcando dois gols contra o Chelsea. Ele deixou o clube em fevereiro de 2022, depois que questões disciplinares prejudicaram seu relacionamento com o técnico Mikel Arteta. Ao todo foram 92 gols em 163 jogos pelo clube.

Os piores do Arsenal

Kim Kallstrom (contratado por empréstimo do Spartak Moscou), 31 de janeiro de 2014

Kallstrom chegou ao Arsenal por empréstimo, mas soube-se que o atleta precisava se recuperar de uma lesão nas costas. Assim, o meio-campista disputou apenas quatro partidas (totalizando 135 minutos) antes de retornar à Rússia. O atleta fez parte da equipe vencedora da FA Cup, em 2019/20 dos Gunners, marcando um pênalti crucial na vitória nos pênaltis sobre o Wigan nas semifinais.

Denis Suárez (contratado por empréstimo do Barcelona), 31 de janeiro de 2019

Depois de lutar para engrenar no Barcelona, Suárez foi emprestado ao Arsenal no final da temporada 2018/19. Infelizmente, uma incômoda lesão na virilha deixou o meio-campista espanhol com pouca forma e preparo físico, o que fez com que ele retornasse ao antigo clube depois de jogar apenas 67 minutos de futebol na Premier League, divididos em quatro partidas como reserva.

Thomas Eisfeld (contratado do Borussia Dortmund por 420 mil de libras), 31 de janeiro de 2012

Eisfeld chegou com reputação de ser uma revelação do Dortmund. O habilidoso meio-campista ofensivo foi até comparado em grande estilo à lenda dos Gunners, Robert Pires. Infelizmente, o jovem alemão não floresceu da mesma forma que o seu antecessor francês e deixou o clube em 2014, depois de ter feito apenas duas partidas pela equipe principal na Copa da Liga Inglesa.

Os melhores do Chelsea

Olivier Giroud (contratado do Arsenal por 18 milhões de libras), 31 de janeiro de 2018

Giroud chegou do Arsenal, rival do Chelsea, com um contrato inicial de 18 meses, aos 31 anos. Rejeitado por diversos clubes, o francês brilhou nos Gunners. Ele também foi fundamental para o título da Uefa Europa League, em 2018/19, além de conquistar a Uefa Champions League e a FA Cup durante o período em Stamford Bridge.

Branislav Ivanovic (contratado do Lokomotiv Moscou por 9,7 milhões de libras) 16 de janeiro de 2008

Um nome desconhecido quando chegou, Ivanovic rapidamente provou ser uma presença defensiva versátil e confiável para o Chelsea. O sérvio passou dez temporadas em Stamford Bridge, disputando 377 jogos e conquistando três títulos da Premier League, três edições da FA Cup, a Copa da Liga Inglesa, a Uefa Europa League e a Uefa Champions League.

Nemanja Matic (contratado do Benfica por 21 milhões de libras), 15 de janeiro de 2014

Matic voltou ao Chelsea na janela de janeiro de 2014, depois de ter deixado o clube três anos antes para ir ao Benfica. O sérvio não perdeu tempo sob o comando de José Mourinho e somou 150 partidas nas três temporadas e meia seguintes, enquanto conquistou dois títulos da Premier League, uma Copa da Inglaterra e uma Copa da Liga Inglesa. Em seguida, o meio-campista foi ao Manchester United em uma negociação que rendeu quase o dobro do valor ao Chelsea.

Os piores do Chelsea

Fernando Torres (contratado do Liverpool por 50 milhões de libras), 31 de janeiro de 2011

Muitas vezes considerada uma das piores contratações da história da Premier League, Fernando Torres não foi um desastre absoluto para o Chelsea. O espanhol marcou 45 gols em 172 jogos pelos Blues, vencendo a Uefa Europa League e a Uefa Champions League no espaço de três temporadas e meia. Porém, pesou contra Torres o alto valor pago pelo clube, algo que o “assombrou” enquanto esteve em Stamford Bridge.

Alexandre Pato (contratado do Corinthians por empréstimo), 29 de janeiro de 2016

O Chelsea fez uma das muitas tentativas de reviver a carreira decadente do ex-garoto-prodígio brasileiro quando contratou o atacante por empréstimo de seis meses, em janeiro de 2016. O jogador, na época com 26 anos, marcou um gol de pênalti em sua estreia, na vitória por 4 a 0 sobre o Aston Villa – mas foi só isso. Ele retornou ao Corinthians no final da temporada, tendo feito apenas mais uma partida pelos Blues.

Juan Cuadrado (contratado da Fiorentina por 23,3 milhões de libras), 2 de fevereiro de 2015

O Chelsea contratou Cuadrado por uma quantia considerável após um desempenho impressionante do colombiano na Copa do Mundo de 2014. Talvez também valha a pena notar que a transferência fez com que os Blues permitissem que o até então desconhecido Mohamed Salah se juntasse à Fiorentina como parte do acordo.

Posteriormente, Cuadrado jogou 13 vezes pelos Blues e não conseguiu registrar nenhum gol ou assistência. Em comparação, Salah, hoje no Liverpool, é agora um dos maiores goleadores de todos os tempos da Premier League.

Os melhores do Liverpool

Luis Suárez (contratado do Ajax por 22,7 milhões de libras), 31 de janeiro de 2011

Indiscutivelmente a melhor contratação já registrada em janeiro, Suárez teve um início decente e continuou melhorando pelo Liverpool, com seu rendimento de gols aumentando ano após ano até 2013/14, quando o uruguaio foi para Barcelona com 31 gols em 33 jogos da Premier League. Essa contagem foi suficiente para lhe render o prêmio de Jogador da Temporada da Premier League, bem como a Chuteira de Ouro e a Chuteira de Ouro Europeia, entre vários outros prêmios individuais.

Virgil van Dijk (contratado do Southampton por 75 milhões de libras), 1º de janeiro de 2018

Ele pode ter custado muito, mas o Liverpool contratou não apenas um zagueiro elegante e de classe mundial, mas também o eixo defensivo perfeito para o time renascentista de Jürgen Klopp. O holandês ainda está no centro da defesa de Klopp aos 32 anos, capitaneando uma equipe que conquistou seis títulos importantes – incluindo títulos da Champions League e da Premier League – desde sua chegada.

Philippe Coutinho (contratado da Inter de Milão por 8,5 milhões de libras), 30 de janeiro de 2013

Coutinho atingiu a melhor forma de toda a sua carreira no Liverpool, contribuindo para um ataque devastador ao lado de nomes como Mohamed Salah, Sadio Mané e Roberto Firmino. O ágil meia brasileiro passou cinco temporadas e meia em Anfield sem ganhar um troféu, mas marcou 54 gols e 45 assistências em 201 jogos antes ser negociado com o Barcelona.

Os piores do Liverpool

Andy Carroll (contratado do Newcastle United por 35 milhões de libras), 31 de janeiro de 2011

Contratado no mesmo dia que Suárez, mas por um valor muito maior, Carroll proporcionou um grande contraste em termos de estilo e sorte. O jogador de 22 anos herdou a camisa 9 de Fernando Torres, mas marcou apenas quatro gols, sendo seu melhor retorno da temporada ao longo de 58 jogos pelo clube. O homem errado na hora errada.

Jan Kromkamp (contratado do Villarreal após negociação de troca), 12 de janeiro de 2006

Kromkamp chegou a Anfield após ser trocado com Josemi, que foi ao Villarreal. Embora tenha sido versátil, o lateral lutou para se envolver na equipe principal sob o comando de Rafa Benítez e passou a maior parte dos primeiros seis meses no banco. O atleta conseguiu uma participação na liga em 2006/07 antes de ser liberado ao PSV.

Ozan Kabak (contratado por empréstimo do Schalke 04), 1º de fevereiro de 2021

Desesperado após uma série de lesões em seu sistema defensivo, o Liverpool pagou 1 milhão de libras para acertar com Kabak, emprestado pelo Schalke por seis meses. Porém, o atleta realizou apenas nove partidas e rapidamente foi liberado pelos Reds.

Os melhores do Manchester City

Edin Dzeko (contratado do Wolfsburg por 27 milhões de libras), 7 de janeiro de 2011

O bósnio tornou-se a nona contratação de Roberto Mancini no City e contribuiu com gols regulares, marcando 72 vezes em 189 jogos, desempenhando o seu papel em duas conquistas do título da Premier League – incluindo a vitória histórica do City em 2011/12.

Gabriel Jesus (contratado do Palmeiras por 27 milhões de libras), 19 de janeiro de 2017

O ágil atacante passou cinco anos e meio no City, onde era regularmente destacado como reserva de Sergio Agüero. Mesmo assim, ele marcou 95 gols em 236 jogos, conquistando oito títulos importantes antes do Arsenal contratá-lo, no verão de 2022.

Julián Álvarez (contratado do River Plate por 14,1 milhões de libras), 31 de janeiro de 2022

Um dos jovens talentos ofensivos mais cobiçados da Argentina, o City inicialmente concordou em permitir que Álvarez permanecesse no River Plate por empréstimo até o verão de 2022. Quando chegou ao City, o garoto lutou para se tornar um titular regular com Pep Guardiola. O astro conquistou a Copa do Mundo e a Tríplice Coroa pela equipe em cerca de sete meses.

Os piores do Manchester City

Wilfried Bony (contratado do Swansea por 25 milhões de libras), 14 de janeiro de 2015

Bony foi uma sensação no Swansea em sua temporada de estreia, marcando 25 gols em todas as competições durante 2013/14. A boa forma em 2014/15 levou o marfinense a se transferir para o City. No entanto, o atacante recebeu poucas oportunidades. A chegada de Pep Guardiola foi a “pá de cal” para a presença de Bony no City.

Nery Castillo (contratado do Shakhtar Donetsk por empréstimo), 1º de janeiro de 2008

Depois de não conseguir impressionar no Shakhtar Donetsk, o atacante recebeu uma oportunidade de Sven-Goran Eriksson, em janeiro de 2008, e até pagou metade de seus próprios honorários para garantir um empréstimo de um ano ao City. O mexicano sofreu uma fratura no ombro durante o primeiro mês no clube e todo o ímpeto desapareceu, regressando ao Shakhtar um ano depois, tendo feito apenas nove jogos pelo clube da Premier League.

Georgios Samaras (contratado do Heerenveen por 6 milhões de libras), 30 de janeiro de 2006

Jogador grego mais caro de todos os tempos, Samaras não conseguiu se adaptar ao futebol inglês. Muitas vezes, o atleta parecia desajeitado, marcando apenas oito gols em 54 jogos antes de partir para o Celtic (inicialmente por empréstimo), em janeiro de 2008.

Os melhores do Manchester United

Nemanja Vidic (contratado do Spartak Moscou por 7 milhões de libras), 5 de janeiro de 2006

O United foi forçado a enfrentar a concorrência dos rivais por Vidic, em janeiro de 2006, após o atleta se destacar na Rússia. O zagueiro sérvio rapidamente se tornou um ícone em Old Trafford graças à sua disposição e se tornou capitão do clube, em 2010. Indiscutivelmente, um dos melhores que passaram pela Premier League.

Patrice Evra (contratado do Mônaco por 5,5 milhões de libras), 10 de janeiro de 2006

Contratado logo após Vidic, Evra também se tornou um elemento básico da defesa bem-sucedida que sustentou a equipe de Alex Ferguson entre 2000 e 2010, conquistando cinco títulos da Premier League e da Champions League nesse período. O lateral-esquerdo francês disputou 379 partidas pelos Red Devils antes de partir para a Juventus, em 2014/15.

Bruno Fernandes (contratado do Sporting por 46,6 milhões de libras), 30 de janeiro de 2020

Colocando nomes como Louis Saha e Juan Mata nesta lista, Fernandes tem sido uma das poucas luzes brilhantes na história recente e desanimadora do United. O português marcou 69 gols e deu 59 assistências em 208 jogos desde que deixou o Sporting, há mais de três anos e meio.

Os piores do Manchester United

Alexis Sánchez (contratado do Arsenal após troca), 22 de janeiro de 2018

O Manchester United obviamente acreditava que poderia fazer com que Sánchez se destacasse quando trocou o ala por Henrikh Mkhitaryan. Infelizmente, não foi assim, já que o chileno fracassou, marcando três gols no campeonato em 18 meses pelo United antes de ser emprestado ao Inter de Milão para a campanha 2019/20.

Wilfried Zaha (contratado do Crystal Palace por 10 milhões de libras), 26 de janeiro de 2013

A última contratação da “Era Ferguson”, Zaha tinha apenas 20 anos quando acertou com o Manchester United. O jovem passou o resto da temporada 2012/13 emprestado ao Crystal Palace antes de chegar ao novo clube cinco meses depois. No entanto, o ano de transição de Zaha deu errado em meio a relatos de atritos entre ele e o técnico David Moyes. Nenhum dos dois durou muito em Old Trafford.

Wout Weghorst (contratado do Burnley por empréstimo, com pagamento de 2,6 milhões de libras), 13 de janeiro de 2023

O atacante parecia igualmente indisposto em Old Trafford como estava no Burnley. O holandês não marcou nenhum gol no campeonato em 17 jogos antes de retornar ao seu clube seis meses depois.

Os melhores do Tottenham

Jermaine Defoe (contratado do West Ham por 7 milhões de libras); 4 de fevereiro de 2004; (contratado junto ao Portsmouth por 9 milhões de libras), 6 de janeiro de 2009

Único jogador na história da Premier League a ser contratado pelo mesmo clube duas vezes durante a janela de janeiro, Defoe foi apresentado pelo Spurs em duas ocasiões, com apenas uma temporada fora do Portsmouth dividindo suas duas passagens de sucesso em White Hart Lane – marcando 140 gols em 361 jogos.

Dele Alli (contratado do MK Dons por 5 milhões de libras), 2 de fevereiro de 2015

Alli assinou com o Tottenham apenas dez minutos antes do prazo final de janeiro de 2014/15, em um acordo firmado para manter o talentoso meio-campista de 18 anos emprestado ao MK Dons pelo restante da temporada. O inglês se tornou um sucesso instantâneo sob o comando de Mauricio Pochettino, florescendo em uma força criativa integral nas temporadas seguintes.

Lucas Moura (contratado do PSG por 25 milhões de libras), 31 de janeiro de 2018

Depois de deixar o PSG e ficar limitado a uma função de reserva, Lucas agarrou a chance no Tottenham no início de 2018. Embora a forma do brasileiro nem sempre tenha sido exatamente estelar, o ala veloz será para sempre lembrado pelos torcedores do Spurs por seu incrível hat-trick contra o Ajax, em 2019 que, levando o clube à decisão da Uefa Champions League.

Os piores do Tottenham

Bongani Khumalo (contratado do Supersport United por 1,5 milhão de libras), 7 de janeiro de 2011

Uma decisão curiosa até hoje, o Tottenham gastou o que era então uma quantia decente de dinheiro para trazer o pouco conhecido Khumalo. O zagueiro nunca havia jogado fora da África do Sul antes de se transferir para a Premier League e pareceu ter sentido a pressão. Khumalo voltou ao Supersport quatro anos depois, tendo acumulado um total de zero jogos pelo clube do norte de Londres.

Lewis Holtby (contratado do Schalke 04 por 1,5 milhão de libra), 28 de janeiro de 2013

Holtby foi considerado o mais recente prodígio alemão quando o Tottenham o contratou no meio da temporada 2012/13. O meio-campista de 22 anos já havia fechado um acordo pré-contrato para se mudar para White Hart Lane no final da temporada, mas a transferência foi acelerada para ajudar a aliviar os crescentes problemas de lesões do Spurs.

Independentemente disso, Holtby nunca teve muitas chances e acabou deixando o clube depois de marcar apenas um gol em três anos (contra o Dinamo Tbilisi na fase preliminar da Europa League).

3. Gilberto (contratado do Hertha Berlim por 2,5 milhões de libras), 31 de janeiro de 2008

Outra das contratações mais terríveis da era moderna da Premier League, Gilberto lesionou-se imediatamente e teve de esperar meses por seu primeiro jogo. O lateral-esquerdo brasileiro foi substituído no intervalo, em sua estreia, diante do PSV, depois de errar diretamente no lance do gol dos holandeses. O atleta fez mais três aparições na temporada 2008/09, antes de ter seu contrato encerrado em julho de 2009.

Monitorado por Vejas.com.br – Link Original:
De Pato a Jesus: os piores e melhores negócios da Premier League