Bateria nuclear chinesa é menor que uma moeda (Reprodução)

Uma empresa chinesa, a Betavolt Technology, anunciou a criação de uma “bateria atômica”, menor do que uma moeda, capaz de gerar 100 microwatts e uma voltagem de 3 V, em fase de testes, para uso em dispositivos comerciais, como celulares, computadores e drones, e que terá uma vida útil de 50 anos.

O produto, denominado pela Betavolt de BV100, tem a forma de um pequeno retângulo, medindo 15 x 15 x 5 mm, o que é menor que uma moeda convencional.

Por ter uma estrutura modular, é possível ampliar a potência fornecida. Até 2025, a proposta é aumentar a energia fornecida por cada módulo para 1 watt.

A “bateria atômica” gera energia através do chamado decaimento β, em que um nêutron do núcleo instável de um isótopo radioativo se decompõe em um próton (que continua no núcleo) e libera um elétron (e um neutrino), o que nessa transmutação para um núcleo estável propicia a energia.

Quando um átomo emite uma partícula beta, ele se transforma em um novo elemento com o mesmo número de massa (porque o nêutron que havia antes foi “substituído” pelo próton), mas o seu número atômico (Z = prótons no núcleo) aumenta uma unidade, enquanto o número de massa se mantém. Num núcleo estável, o nêutron não decai.

O isótopo instável usado no BV100 é o níquel-63 (de número atômico Z=28 e massa atômica 63) que se transmuta em cobre estável, com número atômico Z=29, indicando que passou a ter mais um próton no núcleo. A pequena diminuição da massa atômica no decaimento é novamente a fonte de energia cinética das partículas emitidas.

O desenvolvimento agora obtido pela Betavolt permite que a bateria opere de forma estável entre -60 e 120º C. A estrutura da bateria é feita por camadas de níquel-63, que têm espessura de 2 mícrons, e do material semicondutor, com espessura de 10 mícrons, para transformar a energia atômica em corrente elétrica.

A garantia de funcionamento por 50 anos decorre de que a meia-vida [tempo que leva para reduzir à metade a quantidade inicial de núcleos instáveis de um elemento radioativo] do níquel-63 é de 100 anos, o que garante a essa matéria-prima uma atividade de intensidade suficiente durante os 50 primeiros anos de sua utilização.

As partículas beta de baixa energia – elétrons e, possivelmente, neutrinos – emitidas pelo elemento radioativo ionizam os átomos do semicondutor, criando o mesmo desequilíbrio de cargas visto nas baterias químicas. Na presença do campo estático de uma estrutura p-n (positivo-negativo), a mesma estrutura semicondutora usada para fazer diodos e transistores – as cargas fluem numa mesma direção, resultando em uma corrente elétrica.

A Betavolt assevera que a tecnologia é segura em termos de saúde, o que terá que ser demonstrado formalmente para a produção em massa. O que é previsível, dado a dosagem muito baixa do isótopo radioativo utilizado.

O dispositivo é ainda mais importante, dada a transição energética devido à crise climática, em que a utilização da energia elétrica é primordial. Uma vantagem sobre as baterias de lítio é que a ”bateria atômica” não se degrada em termos de capacidade e vida útil ao longo dos ciclos de carregamento. A outra é eliminar o uso de carregadores.

RUSSOS

Em 2018 – até virou questão de vestibular no ano seguinte – uma equipe de pesquisa russa havia proposto um dispositivo de geração de energia baseado nesse princípio e fazendo uso de semicondutor de diamante, e trabalhos nesse sentido vinham sendo feitos em muitos laboratórios do mundo, mas foi a equipe russa que saiu na frente em termos de eficiência energética.

O protótipo russo também usava o níquel-63 como fonte de radiação e diodos de barreira Schottky feitos de diamante para a conversão de energia. Tinha 200 conversores de diamante intercalados com camadas de níquel-63 e camadas de isótopos estáveis de níquel.

A quantidade de energia gerada depende da espessura da folha de níquel e do próprio conversor, porque ambos afetam quantas partículas beta são absorvidas. O protótipo russo alcançou uma potência de saída de cerca de 1 microwatt, enquanto a densidade de potência por centímetro cúbico foi de 10 microwatts, o que é suficiente para alimentar um marca-passo artificial. Tensão de circuito aberto de 1,02 volt. Potência máxima de saída de 0,93 microwatt, fornecida a 0,92 volt.

O que correspondia a 3.300 miliwatts-hora por grama, o que é dez vezes mais do que as pilhas e baterias químicas disponíveis comercialmente.

“Os resultados até agora já são bastante notáveis e podem ser aplicados na medicina e na tecnologia espacial, mas estamos planejando fazer mais. Nos últimos anos, nosso instituto teve bastante sucesso na síntese de diamantes dopados de alta qualidade, particularmente aqueles com condutividade do tipo n [negativo]. Isso nos permitirá fazer a transição das barreiras Schottky para estruturas p-i-n [positivo-intrínseco-negativo] e, assim, alcançar uma potência da bateria três vezes maior,” disse o professor Vladimir Blank, coordenador da equipe.

O uso de diamante nos semicondutores também é uma enorme vantagem quando se trata de uso no espaço sideral, já é um dos mais resistentes à radiação e aos rigores de temperatura.

BATERIAS QUÍMICAS

As baterias químicas comuns, como as pilhas e as baterias de lítio dos celulares, também conhecidas como células galvânicas, usam a energia das reações químicas de redução-oxidação, ou redox. Nessas reações, os elétrons são transferidos de um eletrodo para outro através de um eletrólito, dando origem a uma diferença de potencial entre os eletrodos.

Essas baterias químicas são caracterizadas por uma alta densidade de potência – a relação entre a potência da corrente gerada e o volume da bateria. No entanto, elas descarregam em um tempo relativamente curto (pilhas comuns) ou precisam ser recarregadas (baterias recarregáveis).

As “baterias atômicas” tipo o protótipo russo ou a chinesa BV100 – também conhecidas como betavoltaicas – não devem ser confundidas com os geradores termoelétricos de radioisótopos, usados em sondas espaciais soviéticas e norte-americanas desde os anos 1970.

Esse tipo de gerador nuclear converte o calor liberado pelo decaimento radioativo em eletricidade usando termopares, mas com uma eficiência de poucos pontos percentuais.

Seu uso prático é limitado na Terra devido ao combustível radioativo, tipicamente o plutônio-238, que impõe riscos à saúde, é difícil de reciclar e pode vazar para o ambiente.

IPEN PESQUISA GERADOR RADIOISOTÓPICO

No Brasil, cientistas do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN-CNEN) desenvolveram a primeira bateria nuclear nacional, a partir de um isótopo em decomposição de amerício (amerício-241). Sem precisar de uma recarga extra, ela pode fornecer energia para aparelhos por mais de 200 anos.

A pesquisa brasileira desenvolveu uma bateria nuclear termoelétrica, também conhecida como gerador termoelétrico radioisotópico (RTG). A produção de eletricidade é feita a partir do calor e não envolve fissão nuclear. 

Ao portal Canaltech, a pesquisadora do IPEN e coordenadora do projeto Maria Alice Morato Ribeiro, explicou que o amerício é um metal radioativo, relativamente maleável e de coloração prateada, um emissor de partículas alfa e gama, com atividade de partículas alfa aproximadamente três vezes maior que a do rádio. Possui 10 isótopos conhecidos pela ciência.

“Na bateria nuclear, o calor de decaimento natural do radioisótopo é que vai gerar energia elétrica. Como parte do processo, esse calor precisa passar através de pastilhas termoelétricas geradoras de energia elétrica (TEGs)”. 

Por enquanto – ela acrescentou -, a tensão de saída nas pastilhas termoelétricas é de 20 milivolts (mV). Isso é resultado da diferença de temperatura nas pastilhas termoelétricas entre a fonte de Amerício (lado quente) e a parte externa (lado frio). 

É essa tensão que alimenta um circuito coletor que acumula energia suficiente e assim fornece pequenas cargas, periodicamente. No entanto, como o atual modelo possui uma capacidade muito baixa de geração de energia, é necessária uma fonte com atividade maior apenas para acender um LED.

O que é impressionante na bateria é o tempo de duração, estimado em 200 anos, devido à meia-vida do amerício ser de 432,6 anos. No entanto, “ainda enfrentamos desafios técnicos relacionados à confiabilidade das pastilhas termoelétricas, as quais precisam operar por um período equivalente”, destacou a cientista.

Essa primeira bateria – ela apontou – foi desenvolvida para validar o conceito. O próximo passo é construir uma versão melhorada, com potência de 100 mW. 

Hoje, as baterias nucleares já são usadas em locais de difícil acesso. São os casos de faróis em ilhas desertas e dispositivos enviados para o espaço, como satélites e os rovers da NASA. No caso da bateria brasileira, a ideia é usá-la para em dispositivos instalados em locais remotos. Quanto às preocupações com riscos à saúde humana e ao meio ambiente, pode ser resolvido com “o uso de blindagens eficientes”. Além disso, “o radioisótopo está contido em fonte selada, não havendo perigo de dispersão do material”, acrescentou.

Monitorado por Vejas.com.br – Link Original:
Empresa chinesa anuncia “bateria atômica” com vida útil de 50 anos e menor que uma moeda