O Brasil precisa chegar a seu máximo potencial de crescimento e isso passa pela reforma administrativa e redução do tamanho do Estado, defende o presidente da Suzano, Walter Schalka, em entrevista ao GLOBO. Na percepção do executivo, existe maturidade na economia brasileira para as empresas serem independentes de apoios estatais.

Na segunda-feira, o governo anunciou um pacote de R$ 300 bilhões de estímulo à indústria, com participação do BNDES, que prevê subsídios e crédito mais barato. Nesta semana, a Suzano comemorou seu 100º aniversário e entrou para a seleta lista de empresas brasileiras seculares.

Em campanha que começa a ser divulgada, a fabricante de celulose se classifica como “uma startup de 100 anos” pela agilidade na tomada de decisões e inovação.

Qual é a avaliação do plano anunciado para promover a neoindustrialização do país?

Trabalhar com conteúdo local, com subsídios, não deu certo no passado. Minha percepção é que já existe maturidade na economia brasileira para as empresas serem independentes de apoios governamentais. Esses apoios geralmente têm componente político, lobbies setoriais, e isso não contribui para uma maior produtividade e eficiência da economia brasileira.

Temos então que focar no ganho de competitividade das empresas brasileiras. E, para isso, reduzir o custo-Brasil. Assim, precisamos reduzir o tamanho e melhorar a competitividade do Estado. A eficiência do Estado brasileiro é baixa. Se fizermos essas reformas, vamos liberar muitos recursos para renovar a infraestrutura, que é tão deficiente.

O setor de celulose, e não estou falando só da Suzano, não precisa de proteção nenhuma. Sua proteção está na competitividade criada ao longo do tempo.

Os cinco homens mais ricos do planeta estão…mais ricos ainda

Somadas, fortunas dos cinco bilionários atingiram US$ 869 bilhões (R$ 4,2 trilhões) no ano passado

Como avalia o primeiro ano do novo governo em termos de condução da economia?

Fico satisfeito de o Brasil estar trabalhando para ter uma disciplina fiscal. O país ainda precisa de reformas para elevar o seu máximo potencial de crescimento. Precisamos da reforma administrativa e da educação. Infelizmente o Brasil vive ainda uma polarização inadequada, e isso não ajuda a resolver questões estruturais que levem a uma melhor qualidade de vida da população.

Fábrica da Suzano em construção em Mato Grosso do Sul — Foto: Divulgação

O que permitiu à Suzano completar um século?

Tem o pioneirismo da família Feffer (fundadora da empresa), que sempre teve características de empreendedorismo e inovação. E a companhia investe 90% da geração operacional de caixa de forma contínua ao longo do tempo, independentemente do ambiente econômico, político, das questões geopolíticas. Isso é uma mola propulsora para o futuro.

A Suzano está sempre procurando ter um diferencial com inovação, que tenha origem na própria companhia, para não replicar o que concorrentes fazem. Temos agilidade no processo de decisão, cultura de inovação e de sustentabilidade. Isso cria diferenciais de difícil replicabilidade. Esse é o conceito que a gente tem no nosso negócio, que produz uma combinação muito forte.

Quanto a empresa está investindo neste início de novo ciclo? E quanto investiu nos últimos anos?

Nos últimos quatro anos, foram R$ 60 bilhões. É o maior investimento privado do país. No ano passado, foram R$ 18,5 bilhões, e este ano, mais R$ 16,4 bilhões. A empresa busca as melhores alternativas de alocação de capital para aumentar sua base fundiária.

Hoje, a Suzano planta 1,2 milhão de árvores todos os dias. E estamos fazendo investimento em plantas novas. Até o fim do primeiro semestre vamos inaugurar a maior planta de celulose do mundo (Projeto Cerrado, em Mato Grosso do Sul). Só em Cerrado, foram R$ 22,2 bilhões.

O que mudou no mercado de celulose com a digitalização e menor uso de papel?

Muita gente faz a conexão do papel com a questão do imprimir e escrever. Nesse campo, o papel vem perdendo representatividade ao longo do tempo. Mas tem utilizações que estão crescendo. O mercado de tissues (papel higiênico, guardanapos, toalhas de papel), por exemplo, vem crescendo globalmente.

A celulose de fibra curta (produzida pela Suzano) vem ganhando espaço da fibra longa no mundo. Também temos ganhado espaço do plástico. Ao longo do tempo, o plástico terá que ser extinto. E o melhor produto para repor é a fibra de celulose.

E como está a Suzano em competividade no setor?

Somos o produtor de menor custo global. Nosso custo hoje é da ordem de US$ 180 por tonelada. Os europeus, canadenses, chineses estão na ordem de US$ 550 por tonelada. É uma diferença brutal. Mas eles têm vantagem e custo logístico menor, porque o maior consumo está lá.

Nós temos mitigado isso colocando mais ferrovias no nosso sistema, navios de maior capacidade. Acabamos de lançar o maior navio de celulose do mundo.

Em busca de mais áreas para eucaliptos, a Suzano briga com culturas de milho e soja?

Nossa competição é com pasto. Não conseguimos competir com soja e milho, que pagam preços melhores pela terra do que nós. Eles têm um rendimento em reais por hectare melhor que o nosso. Mas com pasto, geralmente degradados há muitos anos, nós conseguimos ter melhor resultado.

São áreas com menor teor de argila e, portanto, não tão competitivas. Compramos ou arrendamos a terra.

A Suzano já tem uma ’joint venture’ na Finlândia para produzir têxteis sustentáveis. Vai se expandir lá fora?

Ao longo do tempo a companhia terá que fazer um movimento de internacionalização mais forte. Nós crescemos bastante no Brasil e vendemos para 110 países. Mas, em muitas aplicações do produto para a conversão final, tem que estar próximo do cliente. Já temos essa primeira joint venture, mas temos outras alternativas para olhar o futuro.

A companhia anunciou um investimento de US$ 100 milhões em pesquisa e educação para sustentabilidade. O consumidor já tem essa visão de sustentabilidade?

Nem no Brasil, nem no mundo, infelizmente. Só uma pequena parte da população de 8 bilhões de pessoas (entre 3% e 4%) tem interesse em sustentabilidade e entende isso como fundamental, um legado para as próximas gerações. A pessoa concorda com a tese, mas se você pergunta se ela pagaria um centavo a mais por um produto sustentável, geralmente a resposta é não.

Ou seja, se tiver algum custo financeiro, eu não quero mudar os meus hábitos. Mas nós seremos forçados a mudar. Estamos indo para o precipício, e esse é um jogo que envolve 8 bilhões de pessoas, que terão de atuar juntas.

O Brasil tem vantagens competitivas quando se fala em sustentabilidade. Como fazer para aproveitá-las?

O país tem uma possibilidade imensa de ter inserção na geopolítica global, por meio da questão ambiental. Nenhuma nação tem o nível de energia renovável que temos na nossa matriz. Poucos países têm a quantidade de água que temos, além da dimensão da Amazônia. Tudo isso é um diferencial competitivo.

Tem um mundo de possibilidades para o Brasil explorar adequadamente para criar muito valor. E o Brasil precisa exigir — e a palavra é essa mesma — do Hemisfério Norte para se sentar na mesa e discutir de igual para igual como resolver as questões climáticas globais.

Onde estará e como será a Suzano daqui a cem anos?

Eu acho que a sociedade vai se beneficiar da relação com a Suzano ao longo da história. Nossos produtos estão do lado certo da equação de sustentabilidade. E também na questão ambiental, que é tão fundamental para a sociedade. Estamos trabalhando para sermos cada vez mais bem posicionados no lado social.

Acho que, mais do que projetar a Suzano daqui a 100 anos, temos de projetar a companhia daqui a três ou cinco anos. Esse é o horizonte que a gente consegue prever. O ambiente global vai se transformando ao longo do tempo, e a capacidade de adaptabilidade da Suzano às novas tendências é que vai fazer dela uma empresa sempre na vanguarda.

Monitorado por Vejas.com.br – Link Original:
‘Subsídios não deram certo no passado’, diz CEO da Suzano sobre política industrial. Empresa faz 100 anos